Skip to content

Associação Académica da Universidade do Minho

Associação de estudantes universitários e agremiação desportiva e cultural. Sediada em Braga e Guimarães. Fundada em 1977. Trata-se de uma associação com ampla atividade desportiva, com secções de andebol, atletismo, badminton, basquetebol, equitação, escalada, futebol, judo, karaté, kayake polo, musculação, natação, orientação, polo aquático, kickboxing, remo, râguebi, squash, ténis, ténis de mesa, voleibol e xadrez.

José Carlos Gonçalves Abreu

Futebolista. Médio. Representou o Vitória de Guimarães. Alcançou três internacionalizações. A época de 1981/82 foi a mais importante da carreira deste vimaranense. Entre 20 de janeiro e 24 de março foi chamado por três vezes consecutivas à seleção. Estreou-se frente à Grécia (vitória, por 2-1) e despediu-se contra a Suíça (derrota, por 1-2).

José Filipe Abreu

Ginasta. Foi o ginasta português mais destacado da sua geração. A nível internacional destaca-se a sua presença nos Jogos Olímpicos de 1968, realizados na Cidade do México. José Abreu alinhou no concurso completo de ginástica individual, ficando em 82º lugar na classificação final.

Associação Académica de Coimbra

A mais antiga associação académica do país. Agremiação desportiva e cultural de Coimbra. Fundada em 1887. É um dos maiores clubes desportivos de Portugal. Utiliza o Estádio Universitário, o Estádio Sérgio Conceição em Taveiro, o Campo de Santa Cruz e o Pavilhão do Organismo Autónomo de Futebol/AAC.

É um dos clubes mais ecléticos de Portugal, com secções de andebol, atletismo, badminton, basebol, basquetebol, pugilismo, culturismo, desportos náuticos, esgrima, futebol, ginástica, halterofilismo, hóquei em patins, judo, karaté, lutas amadoras, natação, pesca desportiva, râguebi, ténis, ténis de mesa, tiro com arco, voleibol e xadrez.

No seu palmarés consta um título nacional de basebol, 13 títulos (quatro masculinos e nove femininos) de primeira divisão nacional e sete (três masculinas e quatro femininas) Taças de Portugal de basquetebol, uma Taça Ibérica e três títulos nacionais de râguebi.

No futebol conquistou duas Taças de Portugal, esteve, por quatro vezes, presente em competições europeias e participou por mais de 50 vezes no Campeonato Nacional da I Divisão, sendo a sua melhor classificação um segundo lugar, em 1966-67.

O futuro pode influenciar o presente?

Sabemos que o nosso presente é o resultado de decisões que tomamos no passado, mas será que as nossas decisões futuras também podem influenciar o nosso presente? Esta ideia pode parecer estranha, mas muitos cientistas estão a considerá-la seriamente.

Já sabemos que o futuro existe, dado que a Teoria da Relatividade afirma que todo o tempo já existe agora no tecido do espaço-tempo, mas afirmar que o futuro pode alterar o presente é uma afirmação ainda mais radical. No entanto, isso pode explicar a Incerteza de Heisenberg, que dita que as partículas quânticas podem estar em muitos lugares ao mesmo tempo.

Como o futuro já existe, a loucura do mundo quântico deve-se apenas ao facto de os estados de movimento entre os estados inicial e final não poderem ser medidos rigorosamente, mas o importante é que o movimento das partículas quânticas têm um estado final já definido.

João Luís Laranjeiro Abreu

Esgrimista. Participou nos Jogos Olímpicos de 1968, na Cidade do México, no concurso de espada individual e por equipas. Na prestação individual obteve uma vitória na primeira eliminatória. A equipa nacional, que integrou ainda José Alberto Manso Pinheiro, Francisco Jesus da Silva e Hélder Sancho Costa Reis, registou duas derrotas.

Alfredo Saúl Abrantes Abreu

Futebolista. Médio. Representou o Benfica. Conquistou um campeonato de Portugal e uma Taça de Portugal. Alcançou uma internacionalização. Alfredo Abreu representou a seleção nacional a 28 de junho de 1958, no Porto, contra a República Democrática Alemã (vitória, por 3-2).

Arnaldo Joaquim Castro Abrantes

Atleta. Velocista. Foi um dos melhores velocistas portugueses de sempre, tendo sido recordista de Portugal nos 100 metros (10,44 segundos, em 1986). Nesta distância conseguiu correr por 25 vezes abaixo dos 10,65 segundos. Foi ainda campeão de Portugal por uma vez (1986).

No hectómetro participou no Mundial de Roma, em 1987, e no Europeu de Estugarda, em 1986, ficando sempre pelas eliminatórias. Nos 200 metros foi por duas vezes campeão de Portugal (1982 e 1986), tendo corrido por 15 vezes em menos de 21,60 segundos. Foi nas estafetas que obteve o estatuto olímpico: fez o primeiro percurso nos 4x100 metros nos Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984).

Foi também recordista nacional com 39,74 segundos. Nesta estafeta esteve ainda no Europeu de Split em 1990. Em pista coberta participou no Europeu de Haia, em 1989, nos 60 metros e nos 200 metros. Nesta última prova foi sexto numa das meias-finais. Entre todas as provas foi 26 vezes internacional.

António Cunha Meneses Abrantes

Atleta. Meio-fundista. Especialista de 800 metros, participou em três edições dos Jogos Olímpicos: Seul'88, Barcelona'92 e Atlanta'96. Esteve ainda nos Mundiais de Tóquio (1991) e de Gotemburgo (1995) e no Europeu de Helsínquia (1994).

Como sénior nunca alcançou nenhuma final, disputando apenas as eliminatórias. Já na qualidade de júnior conseguiu a medalha de prata no Europeu de Birmingham (1987). Os seus resultados olímpicos foram os seguintes: Seul - quarto na eliminatória (1 minuto e 49,01 segundos); Barcelona - quinto na eliminatória (1.50,89); Atlanta - quinto na eliminatória (1.47,73).

Nunca foi recordista de Portugal, apesar dos seus oito títulos entre 1988 e 1996. Foi 19 vezes internacional em 800 metros. Finalizou a carreira com 1 minuto e 46,23 segundos como recorde na distância. Na estafeta de 4x400 metros, entre outros campeonatos, esteve na equipa nacional nos Jogos de Seul.

Abel Fernando Miglietti

Futebolista. Avançado. Representou o Benfica e o FC Porto. Alcançou quatro internacionalizações. Depois de uma passagem apagada pelo Benfica, Abel teve os seus melhores momentos no FC Porto, conseguindo ser chamado à equipa nacional entre 1972 e 1973, fazendo três jogos da campanha de apuramento para o campeonato do Mundo de 1974. Estreou-se a 10 de maio de 1972, frente ao Chipre (vitória, por 1-0) e despediu-se a 14 de novembro de 1973, contra a Irlanda do Norte (1-1).