Skip to content

O homem que vendeu a Torre Eiffel

O conde Victor Lustig, funcionário superior do ministério responsável pelos edifícios públicos, explicou aos cinco homens de negócios parisienses que se encontravam no seu gabinete que a Torre Eiffel iria ser derrubada, pois os custos da sua manutenção eram incomportáveis e a sua preservação já não se considerava praticável. A torre representava pelo menos 7000 toneladas de ferro da melhor qualidade, e os 5 homens – negociantes de sucatas – eram convidados a apresentar propostas seladas para a sua aquisição.

As ofertas não tardaram a chegar, e no dia seguinte André Poisson, um self-made man possuidor de uma fortuna considerável, foi informado de que a proposta que apresentara fora aceite.

Decorrida uma semana, Poisson estava de posse da quantia acordada e o encontro final foi combinado. Mas por que motivo, perguntou ele, negociações tão importantes se efectuavam num hotel, e não no ministério?

O conde mandou sair do quarto o seu secretário norte-americano, Dan Collins, e explicou: «A vida de um funcionário do Governo não é fácil. Temos de receber convidados, vestir convenientemente – e tudo isto com salários miseráveis. Ao adjudicar um contrato governamental, é costume que o funcionário encarregado receba...» Poisson compreendeu imediatamente; obviamente, semelhante sugestão, apresentada embora com toda a delicadeza, não podia ser feita no interior de um ministério. De boa vontade entregou um cheque assinado, juntamente com uma mala cheia de notas, e saiu segurando triunfalmente o contrato de venda.

Em menos de uma hora o cheque era descontado e Lustig – que nunca revelou quanto recebera – e Collins instalavam-se, sorridentes, num compartimento de 1.ª classe do Expresso de Viena.

Lustig, nascido na Boémia e filho de um respeitável cidadão, e Collins, um gatuno norte-americano, permaneceram durante um mês num dos melhores hotéis de Viena, procurando em vão nos jornais franceses a publicação de notícias da burla.

O comprador, demasiado embaraçado para participar a fraude, deixava o campo livre para Lustig e Collins venderem novamente a torre, o que de facto fizeram. Desta vez, porém, a vítima participou à Polícia. Embora Lustig e Collins nunca fossem apanhados, a publicidade feita em torno do caso impediu-os de efetuar uma terceira venda.

Trackbacks

Nenhuns Trackbacks

Comentários

Exibir comentários como Sequencial | Discussão

Nenhum comentário

Adicionar Comentários

Les adresses Email ne sont pas affichées, et sont seulement utilisées pour la communication.

Para evitar o spam por robots automatizados (spambots), agradecemos que introduza os caracteres que vê abaixo no campo de formulário para esse efeito. Certifique-se que o seu navegador gere e aceita cookies, caso contrário o seu comentário não poderá ser registado.
CAPTCHA

Form options