Quão frio é o frio?

Na experiência humana, a temperatura não conhece barreiras: hoje pode estar um frio intenso, mas amanhã poderá estar ainda mais – parece não haver limite para o frio.

Mas os cientistas sabem agora que existe, na realidade, um limite inferior para a temperatura: -273ºC. A temperatura é uma medida da velocidade a que as moléculas se movem, e a essa temperatura todo o movimento cessa.

Este é apenas um dos princípios básicos que ditam o funcionamento do nosso Universo. A descoberta e codificação de tais princípios constitui o suporte do progresso científico.

Os Inuits: manter dois mundos afastados

Os Inuits (esquimós do Alasca) caçam renas na primavera e baleias no inverno. Crêem que os animais da terra e os do mar se acham mutuamente repelentes.

Por respeito pelos supostos preconceitos dos animais ou para evitar serem detetados na caça, os Inuits libertam-se de todos os vestígios da perseguição a um tipo de animal quando caçam o outro.

Continuar a ler “Os Inuits: manter dois mundos afastados”

Augustina Domonech: a donzela de Saragoça

A cidade de Saragoça estava cercada e era continuamente bombardeada na luta entre a Espanha e os exércitos de Napoleão. Quando os soldados, desmoralizados, começaram a abandonar os seus postos, uma jovem espanhola de 22 anos, Augustina Domonech, tomou conta de um canhão e ripostou ao fogo dos franceses, jurando não parar enquanto tivesse vida.

Heroína espanhola, Augustina Domonech recebeu três medalhas e o pré de soldado pelos seus atos corajosos.

O ato heróico de Augustina fez regressar os soldados espanhóis aos seus postos, e a batalha prosseguiu. Oito meses mais tarde, em fevereiro de 1809, Saragoça caiu finalmente, vencida pelo poder dos franceses. Augustina, todavia, fugiu da cidade para continuar a combater.

Continuar a ler “Augustina Domonech: a donzela de Saragoça”

Capela da Beata Kinga: os milagrosos santos de sal da Polónia

Mais de 100 metros abaixo do solo, no fundo de uma mina da Polónia, ergue-se a magnífica capela da famosa Beata Kinga com o seu altar do século XVII. No labirinto de túneis à sua volta há outros santuários subterrâneos, estátuas de santos e comovedoras representações de cenas religiosas.

A nave subterrânea da capela da Beata Kinga, na Polónia, tem 54 metros de comprimento e é esculpida no sal. Kinga foi uma freira que veio para o país no século XIII.

A localização destes locais sagrados é surpreendente, mas ainda mais a maneira como foram feitos. As capelas e estátuas foram esculpidas em sal-gema. Esta é a famosa mina de Wieliczka, próxima de Cracóvia, com 150 quilómetros de túneis abertos por gerações de mineiros desde o século XI.

Continuar a ler “Capela da Beata Kinga: os milagrosos santos de sal da Polónia”

História da utilização dos amuletos

Um amuleto é uma figura, medalha ou qualquer outro objeto portátil a que supersticiosamente se atribui virtude sobrenatural para afastar uma influência nociva ou um perigo.

Os amuletos caldeus e egípcios tinham inscritos letras ou sinais mágicos e, muitas vezes, formavam colares. Entre os gregos, este adorno protetor chamava-se phylacterion. As filactérias dos hebreus, tiras de pergaminho com fragmentos da Lei, foram utilizadas como símbolo de piedade entre os fariseus, mas também como proteção considerada infalível contra toda a espécie de males.

Continuar a ler “História da utilização dos amuletos”

Por que o Dia das Bruxas ocorre no dia 31 de outubro?

O Dia das Bruxas acontece no dia 31 de outubro, porque o antigo festival gaélico de Samhain, considerado a raiz mais antiga conhecida do Halloween, ocorria neste dia.

Esta festividade marcava uma época crucial do ano em que as estações mudam, mas (mais importante) os observadores também acreditavam que a fronteira entre este mundo e o próximo se tornava especialmente reduzida nesse momento, permitindo que as pessoas se conectassem com os mortos.

Esta crença é partilhada por algumas outras culturas; uma ideia semelhante é mencionada em torno do feriado judaico de Yom Kipur, que também normalmente ocorre em outubro e envolve orações pelos mortos. É também aqui que o Dia das Bruxas ganha suas conotações “assombradas”.