Quão frio é o frio?

Na experiência humana, a temperatura não conhece barreiras: hoje pode estar um frio intenso, mas amanhã poderá estar ainda mais – parece não haver limite para o frio.

Mas os cientistas sabem agora que existe, na realidade, um limite inferior para a temperatura: -273ºC. A temperatura é uma medida da velocidade a que as moléculas se movem, e a essa temperatura todo o movimento cessa.

Este é apenas um dos princípios básicos que ditam o funcionamento do nosso Universo. A descoberta e codificação de tais princípios constitui o suporte do progresso científico.

Os Inuits: manter dois mundos afastados

Os Inuits (esquimós do Alasca) caçam renas na primavera e baleias no inverno. Crêem que os animais da terra e os do mar se acham mutuamente repelentes.

Por respeito pelos supostos preconceitos dos animais ou para evitar serem detetados na caça, os Inuits libertam-se de todos os vestígios da perseguição a um tipo de animal quando caçam o outro.

Continuar a ler “Os Inuits: manter dois mundos afastados”

Enxames de robôs auto-reprodutíveis poderiam colonizar a Via Láctea

A luz viaja a 300 mil km/segundo. No entanto, mesmo a esta velocidade, a luz da estrela mais perto, Próxima Centauro, leva mais de quatro anos para nos alcançar.

Ainda que admitamos que, um dia, será possível viajar a um décimo da velocidade da luz, continuariam a ser necessários 50 anos para chegarmos às estrelas próximas.

Continuar a ler “Enxames de robôs auto-reprodutíveis poderiam colonizar a Via Láctea”

Google Doodle nos 30 anos da Queda do Muro de Berlim

Tor auf!” (“Abra o portão!”) Gritou a multidão reunida no Muro de Berlim em 1989. O Doodle de hoje, criado pelo artista Max Guther, de Berlim, comemora o 30º aniversário da queda do Muro, uma revolução pacífica que assinalou o fim simultâneo da Guerra Fria e o início da reunificação alemã.

Os ventos da mudança estavam soprando por toda a Europa, uma vez que as novas lideranças na Rússia, Polónia e Hungria tinham grandes esperanças na Alemanha Oriental para o fim de 28 anos de rígidas restrições de viagens. Durante uma conferência de imprensa do governo, a declaração precipitada de um porta-voz oficial deu a repórteres e telespectadores a impressão equivocada de que a Alemanha Oriental estaria permitindo viagens gratuitas entre Berlim Oriental e Ocidental.

Continuar a ler “Google Doodle nos 30 anos da Queda do Muro de Berlim”

Augustina Domonech: a donzela de Saragoça

A cidade de Saragoça estava cercada e era continuamente bombardeada na luta entre a Espanha e os exércitos de Napoleão. Quando os soldados, desmoralizados, começaram a abandonar os seus postos, uma jovem espanhola de 22 anos, Augustina Domonech, tomou conta de um canhão e ripostou ao fogo dos franceses, jurando não parar enquanto tivesse vida.

Heroína espanhola, Augustina Domonech recebeu três medalhas e o pré de soldado pelos seus atos corajosos.

O ato heróico de Augustina fez regressar os soldados espanhóis aos seus postos, e a batalha prosseguiu. Oito meses mais tarde, em fevereiro de 1809, Saragoça caiu finalmente, vencida pelo poder dos franceses. Augustina, todavia, fugiu da cidade para continuar a combater.

Continuar a ler “Augustina Domonech: a donzela de Saragoça”

Capela da Beata Kinga: os milagrosos santos de sal da Polónia

Mais de 100 metros abaixo do solo, no fundo de uma mina da Polónia, ergue-se a magnífica capela da famosa Beata Kinga com o seu altar do século XVII. No labirinto de túneis à sua volta há outros santuários subterrâneos, estátuas de santos e comovedoras representações de cenas religiosas.

A nave subterrânea da capela da Beata Kinga, na Polónia, tem 54 metros de comprimento e é esculpida no sal. Kinga foi uma freira que veio para o país no século XIII.

A localização destes locais sagrados é surpreendente, mas ainda mais a maneira como foram feitos. As capelas e estátuas foram esculpidas em sal-gema. Esta é a famosa mina de Wieliczka, próxima de Cracóvia, com 150 quilómetros de túneis abertos por gerações de mineiros desde o século XI.

Continuar a ler “Capela da Beata Kinga: os milagrosos santos de sal da Polónia”

Claudio Bravo Camus é homenageado com um Google Doodle

O Google Doodle desta sexta-feira, dia 8 de novembro, celebra o 83º aniversário do nascimento do estimado artista chileno Claudio Bravo Camus (1936-2011), que fundiu a técnica clássica dos pintores barrocos espanhóis com um toque do surrealismo de Salvador Dali.

Nascido em Valparaíso em 1936, Bravo cresceu numa fazenda em Melipilla. Depois de dançar na Companhia de Balé do Chile e atuar na Universidade Católica do Chile, ele aplicou os seus talentos às artes visuais. Apesar das objeções de seu pai, o artista em grande parte autodidata persistiu, exibindo suas pinturas numa conhecida galeria de Valparaíso aos 17 anos.

Continuar a ler “Claudio Bravo Camus é homenageado com um Google Doodle”

A pintura dos costumes

A pintura dos costumes já nos aparece na arte flamenga, sobretudo no amargo quietismo religioso de um Bruegel, o Velho. Esta visão estética da realidade é por assim dizer o reverso irónico da história.

Se esta é essencialmente trágica, se vive em contínua agonia, o artista dos usos e costumes e da vida quotidiana opõe portanto ao trágico o ridículo e o cómico, o grotesco da comédia da vida. Efetivamente, esta modalidade pictural revela mais uma atitude cética perante o dia a dia do que a de um interesse social.

Continuar a ler “A pintura dos costumes”

A China dos Manchus

Os imperadores Ming encontram-se numa situação idêntica à do Grão-Mongol. O poder pertence muito menos aos imperadores do que aos eunucos, às imperatrizes e às concubinas.

Os Manchus, vindos da fronteira do norte, são teoricamente vassalos do Império; isso não obsta a que se infiltrem na China em incursões periódicas, sobretudo em 1616 e 1629.

Continuar a ler “A China dos Manchus”

Os tempos violentos da Moscóvia de Boris Godunov a Miguel Romanov

A Rússia ou Moscóvia dilata-se através de toda a planície russa, indo do Mar Branco até ao Mar Cáspio, aflorando as fronteiras da Polónia e tocando as vizinhanças da Sibéria (o Ob e o Irtych são alcançados nos finais do século XVI). Estado tipicamente continental, sem qualquer acesso ao Mar Báltico, dificilmente contata com o resto da Europa por via do porto de Arkangelsk.

Após a morte de Ivan IV, o Terrível, em 1584, e tendo sido este príncipe o primeiro a tomar o título de Tsar, começa para a Rússia o período de violência e da perturbação. O governo do incompetente Fedor (1584-1598) cai nas mãos do enérgico Boris Godunov, em 1598, eleito pelo próprio povo.

Continuar a ler “Os tempos violentos da Moscóvia de Boris Godunov a Miguel Romanov”