A pintura dos costumes

A pintura dos costumes já nos aparece na arte flamenga, sobretudo no amargo quietismo religioso de um Bruegel, o Velho. Esta visão estética da realidade é por assim dizer o reverso irónico da história.

Se esta é essencialmente trágica, se vive em contínua agonia, o artista dos usos e costumes e da vida quotidiana opõe portanto ao trágico o ridículo e o cómico, o grotesco da comédia da vida. Efetivamente, esta modalidade pictural revela mais uma atitude cética perante o dia a dia do que a de um interesse social.

Continuar a ler “A pintura dos costumes”