Skip to content

Globigerinas: construtoras minúsculas mas poderosas

A observação dos penhascos brancos de Dover ou dos depósitos de calcário do Mississippi permite verificar como as globigerinas (Globigerinoides sacculisera), minúsculos protozoários cuja concha tem apenas cerca de 0,4 milímetros de largura, alteraram a face da Terra.

Estes animais, denominados foraminíferos, são simples manchas de protoplasma que vivem no interior de conchas perfuradas por centenas de orifícios, através dos quais se projetam fios de protoplasma que recolhem alimento.

Quando os animais morrem, as suas conchas vazias depositam-se no fundo do mar, onde, após milhões de anos, se juntam, formando extensos bancos calcários.

Trackbacks

Nenhuns Trackbacks

Comentários

Exibir comentários como Sequencial | Discussão

Nenhum comentário

Adicionar Comentários

Les adresses Email ne sont pas affichées, et sont seulement utilisées pour la communication.

Para evitar o spam por robots automatizados (spambots), agradecemos que introduza os caracteres que vê abaixo no campo de formulário para esse efeito. Certifique-se que o seu navegador gere e aceita cookies, caso contrário o seu comentário não poderá ser registado.
CAPTCHA

Form options